“Vamos falar sobre a Aids para que no futuro não tenhamos que falar sobre a Aids”

John Miyata, um dos mais talentosos hairstylists da campanha Cabeleireiros Contra Aids, carrega em seu DNA a vocação para cuidar de cabelos. Nascido em uma família tradicional de cabeleireiros, não demorou muito para John descobrir sua verdadeira paixão e se tornar um dos profissionais mais respeitados do mercado. 

Na entrevista abaixo, você confere um pouco mais dessa história, bem como as motivações e impressões do profissional sobre a campanha Cabeleireiros Contra Aids.

CCA: Como e quando surgiu o talento para ser um hairstylist?

John: Venho de uma família de cabeleireiros. Meus pais prestaram muitos serviços à própria L´Oreal no passado. Ele era diretor técnico artístico da Federação dos cabeleireiros na década de 70. Chegou a ser bicampeão Ibero Americano (um no Brasil outro na Espanha). Creio ter herdado a vocação dos dois. Com 18 ou 19 anos, em meio ao curso de Direito, me matriculei na academia Soho e 13 anos depois aqui estou eu.

CCA: O que te motiva a acordar todos os dias para cuidar da beleza de seus clientes?

John:
Acredito que cuidar da beleza, assim como fazer cabelo, é um dom, um talento que Deus simplesmente dá. Tendo isso em mente, o que me motiva é essa capacidade de elevar a auto estima das clientes, vê-las sair lindas, poderosas e renovadas para encarar o dia. O brilho no olhar de uma cliente quando mostramos o resultado do trabalho é único, não tem preço.

CCA: Você é um dos ícones da campanha Cabeleireiros Contra Aids no Brasil. Qual é a sensação?

John:
Como disse, me sinto abençoado por conseguir, por ter talento para fazer cabelo. Deus simplesmente deu esse dom. Disso, fiz minha profissão, me tornei Artista Redken e daí vem meu sustento. Dedicar-me com todas as forças para uma campanha como a Cabeleireiros Contra Aids é o mínimo que posso fazer para retribuir. O que mais me motiva para participar desta ação em especial é que não a vejo como uma campanha de marketing. Não se estampa o logotipo das marcas da DPP e sim Fundação L´oreal. O que vejo é que o foco principal não é promover as quatro marcas, e sim, focar no que é a razão da campanha: a educação preventiva contra a aids. 

O trabalho do Artista Redken é inspirar cabeleireiros através de nossas apresentações, shows, cursos, eventos, etc. Desta forma, semanalmente, tenho contato com no mínimo 30 cabeleireiros. Potencialmente sei que posso atingir muitos profissionais em todo o Brasil e quiçá, fora, levando, além da inspiração técnica própria da Redken, a mensagem da campanha Cabeleireiros Contra Aids. Acho que esta é a contraprestação que devo para o Homem lá de cima. 

CCA: Como foi fazer o Calendário 2011?

John:
Um privilégio. Um grande presente e uma grande responsabilidade. Sempre digo a Mariana Ruiz que, se de alguma forma puder ajudar, quer seja com meu trabalho, quer seja com minha imagem na campanha Cabeleireiros Contra Aids, estarei sempre lá a qualquer hora e em qualquer lugar. Pude ver de perto a mobilização de grandes figuras, de fotógrafo e equipe, maquiagem, cabelo, o artista, todos doando seu tempo, sua imagem em beneficio social. Quando meu cliente vê aquelas fotos prontas no calendário sempre faço questão de mencionar todo aparato, tantas e tantas pessoas que se envolvem doando seu trabalho, sua imagem, seu tempo para podermos chegar ao resultado final que está nas mãos dela e com ajuda dela arrecadar o máximo possível com esse material. Nestes dias onde é cada vez mais difícil encontrar bons exemplos, está aí um grande exemplo de cidadania. E tomara isso possa influenciar muitos a fazerem um “pouquinho”, porque no final teremos um “poucão” de bons exemplos. 

CCA: Que recado você deixaria para todos que curtem e seguem a campanha?

John:
Tomarei emprestado uma frase que ouvi ou li na própria campanha: “Vamos falar sobre a Aids para que no futuro não tenhamos que falar sobre a Aids”. Vamos multiplicar essa mensagem e formarmos uma grande corrente!

Deixe um Comentário